555 views 2 min 0 Comment

Cascavel confirma o primeiro caso de Febre do Mayaro

- 23 de maio de 2024

Na manhã desta quinta-feira, 23, a Secretaria de Saúde de Cascavel, durante uma coletiva de imprensa informou, a cidade confirmou o seu primeiro caso de febre do Mayaro.

Segundo as informações da Secretaria de Saúde, o paciente é um homem que estava em missão em Manaus, no Amazonas, no mês de abril. A suspeita da contaminação surgiu no fim da primeira quinzena de maio. Ele voltou ao Paraná no fim do ciclo da doença e passa bem.

De acordo com as informações do Ministério da Saúde, a Febre do Mayaro é uma doença infecciosa febril aguda, cujo quadro clínico geralmente é de curso benigno, semelhante à Dengue e à Chikungunya. A doença é causada pelo vírus Mayaro (MAYV), um arbovírus (vírus transmitido por artrópodes) da família Togaviridae, gênero Alphavirus, assim como o vírus Chikungunya.

Anúncio

O vírus Mayaro foi isolado pela primeira vez em Trinidad, em 1954, e o primeiro surto no Brasil foi descrito em 1955, às margens do rio Guamá, próximo de Belém/PA. Desde então, casos esporádicos e surtos localizados têm sido registrados nas Américas, incluindo a região Amazônica do Brasil, principalmente nos estados das regiões Norte e Centro-Oeste

Sintomas

As manifestações clínicas nos pacientes com Mayaro são semelhantes àquelas provocadas pelo vírus Chikungunya e outros arbovírus. O quadro clínico têm início súbito com febre, entre 39 e 40°C, acompanhada de dor de cabeça, artralgia, mialgia, edemas articulares, calafrios, dor retro-orbital, mal-estar, erupção cutânea (exantema), vômitos e diarreia. O quadro clínico agudo pode persistir por 1 a 2 semanas.

Depois de identificar alguns desses sintomas, é preciso procurar atendimento médico na unidade de saúde mais próxima e informar sobre seu local de residência, trabalho, passeio ou qualquer viagem para áreas rurais, de mata ou silvestres, nos últimos 15 dias antes do início dos sintomas.

Com informações do Ministério da Saúde.

Anúncio
Anúncio
Comments are closed.

Descubra mais sobre ConexãoRevista.

Assine agora mesmo para continuar lendo e ter acesso ao arquivo completo.

Continue reading