A modernização do novo modal rodoviário era esperada há mais de 35 anos e devem estar concluídas ainda este ano. “A previsão de entrega é de novembro de 2022, podendo antecipar se as condições climáticas foram favoráveis”, explicou Charlles Urbano Hostins Junior, superintendente regional do Departamento do Estradas de Rodagem (DER).

Ao todo estão sendo construídos nove quilômetros de pistas, que incluem alças e vias para adequar o trecho ao intenso fluxo de veículos, além de dois viadutos e outras melhorias.

Nesta obra,  realizada  pela administração da Concessionária Ecocataratas com terceirização para a empresa Jota Ele, foram investidos R$ 82 milhões provenientes de um acordo de leniência, firmado entre a força-tarefa da Lava Jato do Ministério Público Federal e a Ecocataratas em 2019.

O acordo de leniência foi firmado para melhorias entre Guarapuava e Foz do Iguaçu. O prefeito Leonaldo Paranhos defendeu que parte dos recursos deveria ser usado para a eliminar um dos maiores gargalos rodoviários do Brasil.

“Apresentamos, em parceria com as associações organizadas de Cascavel, um estudo que colocamos nas mãos do governador Ratinho Junior, que de forma muito responsável, trabalhou isso com o Ministério Público, mostrando que essa era uma prioridade”, explica o prefeito.

Canteiro de obras

Mais de 240 operários trabalham na obra que conta com execução de todos os serviços no canteiro central do trevo, que incluem a execução de dois viadutos e cinco quilômetros de rodovias. As estruturas de concreto dos dois novos viadutos  vão elevar a BR-277 no sentido Foz do Iguaçu.

“As equipes estão atuando simultaneamente em serviços de pavimentação, terraplenagem, obras e arte especial (viadutos), obras de segurança viária com as barreiras de contenção tipo New Jersey, instalação e cabeamento de iluminação do trevo e drenagem superficial” explicou o superintendente.

Charles explica que  a readequação do trevo é de grande importância para a região oeste, já que o trevo é considerado um dos principais gargalos logísticos do país, pois há quatro conexões viárias diferentes:  a BR-369, que leva a Maringá; a BR-277, que liga Guarapuava e Foz do Iguaçu; a PRC-467, em direção a Toledo; e a Avenida Brasil, principal via de acesso a Cascavel. Com isso, o fluxo do trevo é estimado em 45 mil veículos por dia.

A readequação permitirá que as rodovias que convergem para o trevo não sofram interferências entre si. Esta característica tornará o tráfego no trecho mais fluido e seguro, não havendo a necessidade de operação do sistema por sinalização semafórica, conforme a configuração anterior do trevo.

“A execução desta obra vai trazer facilidade para a logística e tráfego do trevo, aumentando a agilidade de escoamento das produções de cascavel e região, melhorando também o trânsito de quem trafega a passeio em direção a outros municípios do estado e, claro mais segurança e comodidade para todos”,  explicou Charles.

Novo trevo

A obra do novo Trevo Cataratas vai contar com a construção de dois viadutos de 900 metros, passarelas com escadas e rampas, nove quilômetros de vias, 230 novos postes de iluminação e dois quilômetros de redes de bueiros.

Uma condição imposta à concessionária pelo Instituto Água e Terra (IAT), órgão ambiental do Paraná,  para aprovar a obra foi a obrigação de que o trevo tenha bacias de contenção subterrâneas. A obra será construída em cima da transposição do rio Cascavel, afluente do rio Iguaçu e que abastece 70% da população do município. No caso de um acidente, as bacias de contenções terão suporte técnico para armazenar até 400 mil litros de efluentes derramados na pista.

Fonte: Prefeitura de Cascavel

Conteúdo Protegido