Viva o Rosa! A história de quem venceu o câncer

Outubro é mundialmente conhecido como o mês de conscientização e prevenção ao câncer de mama e colo do útero. E desde 2002 esse movimento vem crescendo ano após ano no Brasil.

Através dessa campanha muitas mulheres estão sendo precocemente alertadas sobre a consciência de um diagnóstico antecipado onde 95% dos casos tem cura.

O rosa é a cor da ternura e da feminilidade, por isso, foi escolhido para representar a bandeira que é levantada neste mês onde somente 1% dos casos ocorrem em homens e 99% são diagnosticados em mulheres, então facilmente você encontrará muitas pessoas usando esta cor que é símbolo dessa campanha tão importante em todo o mundo. Por isso, a tendência é o rosa da cabeça aos pés. Camisetas, lenços, acessórios, maquiagens tudo em prol dessa luta, que é uma realidade.

E para que possamos entender mais a fundo essa fase que é o câncer de mama, trouxe o depoimento emocionante de Sandra Zanatta, uma mulher guerreira mãe de dois filhos que venceu com muita luta e coragem o câncer e veio contar à sua trajetória neste processo. Descobriu em Abriu quando fez o exame e dia 21 de maio fez a primeira cirurgia para retirada de um dos nódulos e dia 12 de junho de 2018 começou a quimioterapia. E o término se deu em 31 de maio de 2019 após 30 sessões de quimioterapias.

“Eu primeiramente quero agradecer a Deus pela oportunidade de estar bem e poder ajudar outras pessoas através dessa entrevista. O processo foi doloroso, mas, Deus esteve comigo em todos os momentos, porque às vezes quando acontece uma situação dessa chegamos a pensar porque que Deus permitiu isso? Então, Deus é bom todo o tempo não canso de dizer isso e pela Sua misericórdia eu já estou bem. Passei por aquele momento difícil, mas, graças a Deus ele me sustentou.

Foi um período muito difícil as pessoas me veem hoje bem, mas, foi complicado. Sou uma pessoa 380, sou ágil, que faço de tudo, trabalho para lá e para cá eu não tinha parada na época que aconteceu tudo isso, estava trabalhando com intensidade maior ,mas, estava bem, mas, certas coisas é como eu falei Deus permite que é para você se acalmar um pouco, é como se tivesse falando para eu me acalmar um pouco, Sandra olha vamos “baixar a bolinha né”, foi difícil descobrir foi no exame de mamografia foi lá que eu descobri o câncer e quando o doutor fala é câncer você pensa o que eu vou fazer agora?

Porque comigo? É verdade, umas pessoas desistem ali já na sala do Doutor e eu não, eu não, não foi a minha atitude não é do meu feitio desistir. Na hora claro, é um impacto quando você recebe a notícia, mas, eu falei não posso morrer disso, tenho tanta coisa para viver eu tenho dois filhos, tenho que casar esses filhos, tenho que arrumar um namorado, então assim eu falei, isso não vai me derrotar não.

Então saí do consultório fui embora para Corbélia, no próximo mês eu fiz a cirurgia para tirar o nódulo dia 12 de junho de 2018 eu fiz a primeira quimioterapia claro que primeira a gente não sabe o que vai acontecer, é muito engraçado.

O doutor trata por partes, comecei com quatro quimioterapia e quando terminou essas, eu pensei, beleza agora acabou. Nada! Veio duas cirurgias e depois mais seis quimioterapias e eu tinha certeza que eu ia sair dessa situação, meu coração dizia você vai passa, mas, você vai sair daí vencedora.

Então começou de novo, a primeira quimioteria novamente, e a enfermeira já explica o que vai acontecer que seu cabelo vai cair daqui a 15 dias, a tua pele vai mudar, essa situação toda e a primeira coisa que a gente pensa como mulher né, eu sou mulher hiper, mega bem humorada ,você já me conhece, uma mulher para frente, uma mulher feliz eu falei meu Deus eu vou ficar careca e eu confesso para você que eu fiz 10 quimioterapia e nada doeu mais, como doeu perder os meus cabelos, aqui eu até me emociono um pouco porque não é fácil, eu ouvi falar sobre o assunto, mas, quando fala de cabelo é muito complicado, porque a mulher é muito cabelo, a mulher é muito visão, mas pronto, em 15 dias foi certo caiu todo o cabelo e não foi fácil o dia que eu tive que escolher algum lenço eu chorei confesso que eu chorei muito, muito, muito e colocar aquilo parecia que eu estava sendo derrotada, sabe, pensava meu Deus e agora?

Então fui para rua e eu sempre levei o câncer a situação como ter coragem e enfrentar. Aí coloquei o lenço combinando com a minha roupa, primeiro dia foi difícil, segundo também, porque às vezes, a gente até evita de sair, a gente se acha feia, mas tudo é questão da cabeça tudo é questão do seu entendimento, porque, assim eu recebi muitas visitas quando eu estive doente e uma das visitas que me marcou muito, foi de uma amiga psicóloga e ela dizia assim:

“Amiga, você tem que aceitar o câncer nesse processo você precisa aceitar o câncer para você lutar contra ele na tua cabeça você vai lutar contra ele.”

Aquilo eu peguei muito forte e falei é verdade, não vou deixar isso me prejudicar, então os lenços depois vieram, daí eu comprei uns mais extravagantes, comprei um com estampa de onça, comprei um colorido e aquilo já foi fazendo parte do meu dia a dia, então assim tudo é a tua mente, não foi em vão que eu passei tudo isso.

Em relação a roupa é difícil a gente fica muito inchada, ganha peso e no momento que você está careca você está muito frágil nenhuma roupa lhe cai bem na verdade sabe, mas, é tudo questão de adaptação, ver uma roupa um pouquinho mais larga vai lá e compra, nunca deixei de me arrumar por causa disso eu ia na igreja sempre bem arrumadinha destacava o batom, destacava alguma coisa assim, para me sentir mais viva, para eu me sentir bem!

Então assim, hoje eu tive que passar por isso, a gente entende com a maturidade do tratamento que ocorreu tudo bem hoje eu vejo que eu precisava ter passado por isso, sempre dei valor das minhas coisas, mas, agora eu dou muito mais, eu sempre dei valor à minha vida, acordo cedo eu já estou bem-disposta, então foi tudo um aprendizado nada foi em vão nada, nada, nada. Tinham momentos que eu tinha muita dor eu falava Meu Deus tira essa dor de mim.

E eu acredito que com essa entrevista as mulheres vão ler e perceber que o câncer é só uma fase e que você tem que fazer com que essa fase mude, com num jogo que você tem que mudar de fase e não desanimar, não desistir, na primeira situação, como eu fiz as primeiras quatro quimioterapias depois as cirurgias.

Acreditar que tudo vai dar certo mesmo sem cabelo colocar a sua autoestima, às vezes eu ficava até de batom dentro de casa sabe, então assim a gente tem que querer viver, a gente tem que querer viver o melhor.

E saber que hoje posso ajudar outras pessoas também, que eu tenho recebido muitas mensagens de como eu fiz, então tudo vai mudar na vida da gente, tudo muda na vida da gente, por que, é um período complicado, mas que mude para melhor sempre.

E para todas as mulheres que estão lendo, saibam que o câncer é somente uma fase, e essa fase passa. ” Sandra Zanatta

Conteúdo Protegido
%d blogueiros gostam disto: