ConexãoRevista.
20 Views 6 min 0 Comentário

Em Cascavel caminhada reúne mulheres no Dia Estadual de Combate ao Feminicídio

- Cascavel
24 de julho de 2023
Anúncio

O prefeito Leonaldo de Paranhos participou, neste sábado (22), da caminhada silenciosa denominada de Cascavel Unida contra o Feminicídio, que contou com a participação de centenas de pessoas que se concentraram na Rua 7 de Setembro, de onde partiram em passeata pela Avenida Brasil, até a Travessa Champagnat.

Paranhos destacou que o feminicídio é um desafio que precisa ser enfrentado por toda a sociedade. “Nós precisamos debater esse tema, precisamos enfrentar essa realidade. O feminicídio tem acontecido em todo o mundo e no Brasil não é diferente”, afirmou.

O prefeito voltou a defender uma política pública para amparar crianças órfãs que perderam suas mães para o feminicídio. Um projeto de lei nesse sentido será encaminhado para apreciação e votação na Câmara de Vereadores de Cascavel.

Anúncio

“Muitas vezes essas crianças não têm com quem ficar, muitas vezes as pessoas que ficam cuidando também não têm condições de cuidar delas. O poder público quer acenar para esse tema”, enfatizou.

Entre as centenas de pessoas que participaram da passeata silenciosa, estava a zeladora Inês Gonçalves de Brito. No dia 3 de julho completou um ano que a filha dela foi morta pelo ex-marido, que não aceitava a separação. A filha deixou dois netos, um com três, outro com 12 anos.

Inês ressaltou a importância da união das mulheres contra essa realidade dolorosa, pedindo que elas não se submetam a situações abusivas, evitando que mais vidas sejam perdidas. “É uma dor muito grande quando envolve crianças. Eu só peço que as mulheres se unam contra esse tipo de situação. Não deu certo a primeira vez, não tentem a segunda, não tentem a terceira, porque aí eles vão achando que são donos e acontece o que aconteceu com minha filha”.

A primeira-dama Fabiola Paranhos disse que ações como a caminhada silenciosa de hoje servem para chamar a atenção sobre a necessidade de falar sobre o assunto.

“É preciso sair da discussão e partir para ação. É algo que as pessoas precisam entender, que existe realmente violência contra a mulher, que não é uma disputa de gênero, homem contra mulher, são mulheres que são mortas apenas por ser mulher”, enfatizou.

Hudson Moreschi, secretário de Assistência Social, também destacou que é preciso agir na prevenção contra esse tipo de crime.

“É preciso sensibilizar a comunidade, principalmente numa perspectiva de prevenção, porque depois dos traumas, quando acontece um crime, o reflexo é para toda a sociedade, toda a família. Por isso a importância de estarmos aqui debatendo sobre esse assunto”, afirmou.

Para Andrea Simone Frias, promotora da 14ª Promotoria de Violência Doméstica contra a Mulher, eventos como a caminhada são de suma importância. Ela observou que existe uma questão cultural que envolve a violência contra a mulher, mas que é preciso unir forças para enfrentar esses casos. Andrea também ressaltou que é preciso ampliar as ações das entidades públicas para fortalecer o enfrentamento à violência.

“Hoje nós vemos que a Delegacia da Mulher está superlotada, a Vara de Violência Doméstica já não está dando conta da demanda. São questões que precisamos trazer para a sociedade para que ela entenda”, afirmou.

Hoje o principal instrumento para amparar mulheres vítimas são as medidas protetivas de urgência. “Infelizmente, quando vemos casos de feminicídio, são mulheres que não tinham medidas protetivas aqui em Cascavel”, afirma. Ela ressalta que a medida protetiva funciona e coloca o agressor numa situação em que ele sabe que, se descumprir, será preso.

A juíza de Direito Nicia Kirchkein Cardoso participou da caminhada, defendeu ações preventivas e ressaltou que as mulheres estão mais conscientes sobre denunciar os abusos. “Graças a Deus, ultimamente as mulheres estão denunciando mais, mas nós precisamos cada vez nos unir mais para levar as informações da importância de levar essas denúncias até nós, para que a gente possa tentar não deixar o caso chegar ao feminicídio”, diz.

Fotos: Vanderlei Faria/Secom

Clique AQUI, entre no grupo do WhatsApp da Conexão Revista e receba em primeira mão as principais notícias de Corbélia e região!

Anúncio
Comentários do Facebook
Deixe uma Resposta
Você deve estar de vançavam com dificuldade em para postar um comentário.

Descubra mais sobre ConexãoRevista.

Assine agora mesmo para continuar lendo e ter acesso ao arquivo completo.

Continue reading