Covid-19: Paranhos assina protocolo de intenção para compra de vacinas

O prefeito de Cascavel Leonaldo Paranhos, e o secretário de Saúde Thiago Stefanello, assinaram na manhã desta terça-feira (15) um protocolo de intenção para a compra de vacinas contra a Covid-19. O documento não obriga o Município a comprar, mas abre caminho para que o processo de vacinação comece logo após a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) liberar as vacinas que estão em estudo.

Cascavel é referência em vacinação e sempre desenvolveu as campanhas em sintonia com a Secretaria de Estado da Saúde e Ministério da Saúde. O Município aguarda a decisão do Ministério da Saúde que ainda não validou nenhuma das vacinas que estão sendo produzidas e a ideia é trabalhar em sintonia.

“Por uma questão de prevenção nós estamos, nesse momento, assinando esse protocolo, abrindo essa possibilidade e assim que tiver uma vacina liberada possamos fazer a aquisição, cobrindo temporariamente os grupos de risco de Cascavel”, enfatiza Paranhos.

Stefanello lembra que o Ministério da Saúde é o responsável pela aquisição, logística e estratégias de vacinação, além de orientar os municípios sobre os procedimentos adotados para a vacina. “Nós, com certeza, vamos trabalhar em conjunto com Ministério da Saúde e Secretaria de Estado da Saúde proporcionando as vacinas, aquelas que forem devidamente aprovadas pela Anvisa, para nossa população”, diz.

O secretário lembra que ainda há algumas indefinições e que, atualmente, a única vacina que tem aprovação, fora do Brasil, por órgãos semelhantes à Anvisa, é a do laboratório Pfizer, que já está sendo aplicada no Reino Unido, Estados Unidos e deve ser iniciada a vacinação no Canadá.

“Como o Ministério da Saúde ainda não teve um entendimento com a Pfizer e não está distribuindo, o nosso manifesto de interesse vem no sentido de que todos esses laboratórios saibam que cascavel está disposto a comprar quando essas vacinas foram autorizadas pela Anvisa”, explica Stefanello.

O fato de a Anvisa liberar determinada vacina não significa que o Ministério da Saúde irá aderir a ela e se houver demora, Cascavel pretende sair na frente. “Seja a vacina da Jhonson & Jhhons, de Oxford, da Pfizer que também irá produzir no Brasil pela Fiocruz ou a Coronavac, da Sinovac que vai ser produzida em parceria com o [Instituto] Butantan”, afirma Stefanello. “Claro que queremos trabalhar em sintonia com o Ministério da Saúde, mas também não podemos ficar parados caso não avance o processo do Ministério. O manifesto de interesse é nesse sentido, para que todos os laboratórios saibam que temos o interesse na vacina”, completa o secretário.

O Senac se colocou à disposição do Município para auxiliar na vacinação e deixou à disposição sua equipe de profissionais e estrutura. “Agradecemos ao Senac por estar se colocando nessa parceria porque Cascavel, com certeza, vai precisar”, ressalta Stefanello.

Fonte: Assessoria Cascavel



Conteúdo Protegido
%d blogueiros gostam disto: