ConexãoRevista.
26 Views 7 min 0 Comentário

Com plantio de 8,5 milhões de mudas desde 2019, governo reforça áreas verdes do Paraná

- Estado
21 de setembro de 2023
Anúncio

Do açoita-cavalo ao vassourão-preto, passando pela tradicional e imponente araucária. O Paraná contabiliza uma infinidade de espécies de árvores espalhadas por uma área de 199.554 km². Esse vasto catálogo divido em cinco regiões fitogeográficas foi encorpado por mais de 8,5 milhões de mudas distribuídas pelo Instituto Água e Terra (IAT) desde 2019 – 70 mil delas apenas nesta semana, em comemoração ao Dia da Árvore, celebrado nesta quinta-feira (21).

Nas regiões Sudoeste, Oeste, Noroeste e Norte, por exemplo, predomina a Floresta Estacional Semidecidual, com espécies como bracatinga, cambará e guajuvira, entre outras. A Floresta Ombrófila Mista, com seus araças, ipês e perobas, se espalha no Sudoeste, Sul, Centro e Região Metropolitana de Curitiba. O Litoral é preenchido pela Floresta Ombrófila Densa, com caixetas, cedros, manacás e palmitos.

Há, ainda, os Campos, que se concentram nos Campos Gerais, mas também na região de Guarapuava e na capital paranaense., com um mar de araucárias, cataias e copaíbas. Por fim, o Estado conta com alguns poucos resquícios de Cerrado em cidades como Campo Mourão, Peabiru e Jaguariaíva. Angicos e canjaranas predominam nesses locais.

Anúncio

“O Paraná tem uma vegetação muito rica e não podemos deixar que acabe. O intuito, e um dos pilares do Instituto Água e Terra, é preservar e recuperar essas áreas, além de conscientizar as pessoas de que não se deve destruir um dos nossos bens mais preciosos”, afirma a bióloga do IAT, Roberta Scheidt Gibertoni.

Além da natureza, essa riqueza natural é estimulada a partir de 19 Viveiros Florestais e dois laboratórios de sementes mantidos pelo IAT no Paraná. Nesses locais são produzidas mais de 100 espécies florestais nativas, sendo 25 delas consideradas ameaçadas de extinção, que são estrategicamente plantadas em suas próprias terras para manter o ciclo sustentável da Mata Atlântica.

Os viveiros estão localizados em São José dos Pinhais, Engenheiro Beltrão, Salgado Filho, Cascavel, Cornélio Procópio, Guarapuava, Fernandes Pinheiro, Ivaiporã, Jacarezinho, Morretes, Ibiporã, Mandaguari, Pato Branco, Tibagi, Pitanga, Paranavaí, Toledo, Umuarama e Paulo Frontin. Já os laboratórios estão instalados em São José dos Pinhais e Engenheiro Beltrão.

Gestão dos recursos hídricos: Paraná adere ao Pacto pela Governança da Água
Governo reforça sétima edição da operação Mata Atlântica em Pé no Paraná
INDICADORES VERDES – Essa oferta de mudas, aliada a um programa permanente de educação ambiental, dentro do programa Paraná Mais Verde, melhorou significativamente os indicadores ambientais do Paraná. A superfície de vegetação preservada dentro das Unidades de Conservação (UCs) espalhadas pelo Estado alcançou 26.250,42 km². São áreas protegidas por legislação, formadas por ecossistemas livres que não podem sofrer interferência humana ou àquelas com o uso sustentável de parte dos seus recursos naturais, como os parques abertos à visitação pública.

O espaço conservado equivale a 3,6 mil campos de futebol. É como se quase a metade do território de Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba, abrigasse uma imensa Unidade de Conservação.

De acordo com levantamento do IAT, com base em dados do Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza (SNUC), a área de proteção é dividida em UCs estaduais de Uso Sustentável, com 10.470,74 km²; UCs estaduais de Proteção Integral (756,44 km²), Áreas Especiais de Uso Regulamentado (Aresur), com 152,25 km², e Áreas Especiais e Interesse Turístico (AEIT), com 670,35 km², todas com administração do Governo do Estado.

O cenário se completa com as Reservas Particulares do Patrimônio Natural, as chamadas RPPNs, que somam atualmente 553,83 km²; terras indígenas, com 846,87 km²; e Unidades Federais, de 8.840,39 km², sendo o Parque Nacional do Iguaçu, em Foz do Iguaçu, a mais simbólica; e Unidades Municipais (3.959,55 km²), como o Parque Barigui, em Curitiba.

“O Paraná tem exercido um papel fundamental para ações de sustentabilidade e boas práticas nas propriedades paranaenses, sejam elas públicas ou privadas. Temos esse grande cenário verde e estamos lutando para mantê-lo. É uma política de Estado apoiar as RPPNs ou as demais Unidades de Conservação. Assim, fazemos com que o patrimônio natural do Paraná fique congelado nessas áreas para que não haja possibilidade de se mexer com a biodiversidade”, afirma o diretor-presidente do IAT, Everton Souza.

Governador dá início à ação que vai proteger mil nascentes de água em 2023
Paraná lidera índice de sustentabilidade do Ranking de Competitividade dos Estados
DESMATAMENTO – Na outra ponta, o Governo do Estado aperta o cerco contra os crimes ambientais. Segundo o Relatório Anual do Desmatamento no Brasi,l divulgado em junho pela plataforma colaborativa MapBiomas, o Paraná reduziu em 42% o desmatamento entre 2021 e 2022, o segundo melhor índice do País.

Em julho, por sua vez, a Fundação SOS Mata Atlântica anunciou que o Paraná foi o estado que mais reduziu o desmatamento ilegal da Mata Atlântica no País nos primeiros cinco meses de 2023. A área de vegetação suprimida passou de 1,8 mil hectares para 860 hectares no comparativo com o mesmo período do ano passado, uma queda de 54%.

Anúncio

Clique AQUI, entre no grupo do WhatsApp da Conexão Revista e receba em primeira mão as principais notícias de Corbélia e região!

Comentários do Facebook
Deixe uma Resposta
Você deve estar de vançavam com dificuldade em para postar um comentário.

Descubra mais sobre ConexãoRevista.

Assine agora mesmo para continuar lendo e ter acesso ao arquivo completo.

Continue reading