537 views 7 min 0 Comment

Boletim agropecuário do Deral analisa projeção da Conab sobre a safra de grãos 23/24

- 9 de fevereiro de 2024

A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) anunciou nesta quinta-feira (08) redução na previsão da safra brasileira de grãos 2023/24, estimada agora em 299,7 milhões de toneladas. Isso representa uma queda de 6,3%, ou 20,1 milhões de toneladas a menos que o obtido no ciclo anterior. Comparativamente à perspectiva que se tinha em janeiro, a redução é de 2,2%, ou 6,6 milhões de toneladas a menos. Esses dados incluem o Paraná.

A soja é a principal cultura de verão no País. No relatório de janeiro da Conab, o prognóstico apontava para produção de mais de 155 milhões de toneladas. Agora o número baixou para 149 milhões. Esta redução aconteceu nos principais Estados produtores, Paraná e Mato Grosso, que sofreram bastante com o forte calor no período de formação da cultura.

A quebra estimada pela Conab no Paraná foi de aproximadamente 2,2 milhões de toneladas em relação ao levantamento de janeiro, projetando-se agora 19,4 milhões de toneladas para a safra 2023/24 – a Previsão Subjetiva de Safra (PSS) paranaense feita pelo Deral prevê 19,2 milhões. Para o Mato Grosso a estimativa é de 1,6 milhão de toneladas a menos, com eventual produção de 38,6 milhões de toneladas.

Anúncio

No Estado a colheita da soja avançou durante a semana, chegando a 1,4 milhão de hectares, ou 25% da área total estimada de 5,8 milhões de hectares. A região Oeste está mais adiantada, tendo colhido pelo menos 73% dos mais de 1 milhão de hectares plantados.

As informações confirmam a projeção divulgada em 25 de janeiro pelo Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento, e as expectativas do mercado, que têm como base as condições climáticas desfavoráveis. As informações apresentadas pela Conab estão no Boletim de Conjuntura Agropecuária referente à semana de 2 a 8 de fevereiro, elaborado pelo Deral.

MILHO – Para o milho, segunda cultura com maior produção no verão brasileiro, a expectativa caiu de 117,6 milhões de toneladas para 113,7 milhões. Nesse caso a revisão tem como principal causa a menor expectativa de área total a ser plantada, com 8,2% a menos que o plantio do ciclo 2022/23, passando de 22,2 milhões de hectares para 20,4 milhões.

A projeção da Conab para o Paraná é de redução em 5,7% na área, somando-se todas as safras. De 2,8 milhões de hectares pode cair para pouco menos de 2,7 milhões. Com isso o órgão federal de abastecimento estima produção total de 16,3 milhões de toneladas, o que significa 11,7% a menos que os 18,5 milhões do ciclo anterior.

No campo, a área colhida da primeira safra praticamente dobrou em uma semana, alcançando 36% da área total de 291 mil hectares. Na semana anterior estava em 19%. Já a segunda safra teve avanço consistente no plantio e chegou a 32% da área total de 2,4 milhões de hectares.

FEIJÃO – O boletim do Deral também analisa a variação no preço do feijão preto e do carioca. A colheita da primeira safra atingiu 90% dos 113 mil hectares, mas a oferta de mais 156 mil toneladas não deve ser capaz de reverter a alta de 11% observada em janeiro no preço de ambos os feijões.

A expectativa é pela colheita da segunda safra, que no Paraná deve cobrir 305 mil hectares. Até agora foram semeados 50% da área. É um ciclo mais volumoso, com previsão de 608 mil toneladas. O desenvolvimento é essencial para a formação de preços, dado que o Paraná deve se manter como o principal produtor brasileiro.

FRUTAS – Os dados da plataforma Agrostat, do Ministério da Agricultura e Pecuária, apontam variação positiva de 59,1% nos valores de exportação de frutas brasileiras, comparando-se 2014 e 2023. Se no ano passado foram vendidos US$ 1,3 bilhão, no início da série os valores chegaram a US$ 841,3 milhões. Em volumes, passou-se de 733,7 mil toneladas para 1,1 milhão no período analisado. O acréscimo foi de 51%.

Em importações, o Brasil comprou 607,5 mil toneladas em 2014, chegando a 573 mil toneladas no ano passado, queda de 5,7%. Os pagamentos decaíram 6,3%, passando de US$ 936 para US$ 877. Estes números endossam um ambiente superavitário nas transações financeiras para a fruticultura brasileira.

FRANGO, LEITE E SUÍNOS – O documento do Deral também reproduz dados do Agrostat referentes à exportação de frangos. O Paraná, que vendeu pouco mais de 2 milhões de toneladas e arrecadou US$ 3,7 bilhões, manteve a liderança nacional, respondendo por 41,7% das vendas e por 39,2% das receitas cambiais.

Sobre o leite, o boletim destaca uma pequena recuperação do preço pago ao produtor. Em janeiro o valor médio chegou a R$ 2,15, contra R$ 2,13 em dezembro, repetindo o que tinha sido pago em novembro de 2023, mas ainda abaixo dos R$ 2,58 de janeiro do ano passado.

Os preços médios dos principais cortes de suínos no varejo tiveram queda de 5,5% no primeiro mês do ano. A maior redução foi no lombo desossado, que saiu de R$ 24,98 para R$ 23,04 (-7,7%).

Anúncio
Anúncio
Comments are closed.

Descubra mais sobre ConexãoRevista.

Assine agora mesmo para continuar lendo e ter acesso ao arquivo completo.

Continue reading