Governo do Paraná aplicou R$ 1,3 bilhão na guerra contra a Covid-19

Os 365 dias desde o início da circulação do coronavírus no Paraná foram marcados por constantes revisões no plano orçamentário do Estado. Com foco no combate e prevenção à pandemia, as despesas empenhadas pelo Governo do Paraná somaram R$ 1,3 bilhão no período – a confirmação do primeiro infectado pela doença ocorreu em 12 de março do ano passado.

O valor está registrado no Painel de Monitoramento criado pela Diretoria de Contabilidade Geral do Estado, órgão vinculado à Secretaria Estadual da Fazenda, em abril de 2020, assim que começaram a ser destinadas verbas específicas para a finalidade. 

As receitas extraordinárias que entraram no caixa estadual exclusivas para o combate à Covid-19 (como as transferências da União e de outros Poderes do Estado) somam R$ 992,5 milhões. O restante, cerca de R$ 313 milhões, vieram de outras fontes de recursos do próprio caixa do Estado.

O governador Carlos Massa Ratinho Junior afirmou que o orçamento foi se adequando para poder tratar a pandemia como prioridade número 1. No ano passado, logo no início da crise, foi colocado em funcionamento um pacote econômico para amenizar as dificuldades dos paranaenses.

Ele ainda acrescentou que paralelamente, foi inaugurado três hospitais (em Guarapuava, Telêmaco Borba e Ivaiporã), mais de 1.400 leitos de UTI , além de equipar pontos de atendimento à saúde para proteger a vida da população.

Segundo o relatório da Fazenda, a maior parte dos recursos se refere a investimentos feitos pela Secretaria de Estado da Saúde. Entre aportes do próprio Fundo Estadual de Saúde, repasses da União e de outros Poderes, a pasta destinou R$ 837,2 milhões para o enfrentamento à Covid-19. Valor usado especialmente no reforço e ampliação da rede pública de atendimento hospitalar.

O secretário de Estado da Fazenda Renê Garcia Junior explicou que em nome da transparência, concentram tudo em um único relatório e disponibilizam no portal do Coronavírus no Paraná, de forma que os dados sejam acessíveis para toda a população.

LEITOS – De acordo com a Regulação de Leitos Estadual, o Paraná conta atualmente com 1.570 leitos de UTI e 2.374 enfermarias para uso adulto. São outras 22 UTIs e 34 enfermarias pediátricas.

Abertura que se deu conforme a demanda. Com a explosão de casos que marcou os dois primeiros meses de 2021, o Governo do Estado chegou a ativar 779 leitos exclusivos Covid-19 em apenas duas semanas, entre 22 de fevereiro e 8 de março. Foram integradas ao sistema 259 UTIs e 520 enfermarias no período. A média em alguns momentos chegou a ser de 70 leitos novos por dia, o equivalente a um hospital de campanha.

Referência nacional em testagem, o Paraná realizou mais de 2 milhões de exames RT-PCR em 12 meses.

O secretário de Estado da Saúde, Beto Preto ressaltou que este é o maior número de leitos ofertados em todo o Estado desde o início da pandemia. O atendimento está sendo realizado dentro do que a estrutura permite.

A Saúde confirmou, ainda, o repasse de R$ 153 milhões para os 399 municípios do Paraná na modalidade fundo a fundo. Foram outros 13,6 milhões apenas em equipamentos e materiais permanentes. O total geral em custeio, por sua vez, alcançou R$ 460 milhões em recursos próprios até o fim do ano passado. 

Ratinho Junior disse que nestas duas semanas, de acordo com número de leitos abertos, é como se o Estado tivesse aberto um novo hospital de grande porte para atendimento aos paranaenses.

OUTRAS SECRETARIAS – A contabilização da execução das ações na guerra contra a Covid-19 no Estado abrangeu também outras pastas. A Secretaria da Agricultura e do Abastecimento, por exemplo, foi responsável pela execução de R$ 113 milhões para distribuir os créditos do Cartão Comida Boa, que permitiu a famílias carentes compras de R$ 50 em supermercados conveniados pelo Estado durante três meses do ano passado.

Houve ainda investimentos em educação, seja na reforma de escolas ou na distribuição de merendas para a família dos estudantes da Rede Pública Estadual.

Já as sete universidades estaduais investiram na aquisição de materiais e equipamentos para os hospitais universitários. Também estão contabilizados os gastos de órgãos como Detran, Ceasa, Cohapar, entre outros, para a aquisição de EPIs para servidores e atendimento ao público, como álcool gel e máscaras, durante a pandemia.

BOLSISTAS – A Superintendência Geral de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, em parceria com a Fundação Araucária; com a Secretaria de Estado da Saúde; com as universidades estaduais e com a Itaipu Binacional, criou a maior iniciativa de extensão brasileira no combate a pandemia do novo coronavírus.

O programa contratou 1.167 bolsistas, entre profissionais e estudantes da área da saúde, para atuar em ações preventivas, de tratamento e de esclarecimentos sobre a doença. Ao todo, foram investidos R$ 14,5 milhões na iniciativa, beneficiando muitos municípios do Paraná

O Governo do Estado lançou neste mês uma nova Chamada Pública para concessão de bolsas de extensão destinadas a profissionais da área da Saúde.

Para este novo programa, será destinado, inicialmente, um aporte financeiro de R$ 160 mil, oriundos do Fundo Paraná de Ciência e Tecnologia, gerido pela Superintendência Geral de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior.

Os bolsistas vão contribuir para ampliar a capacidade de pesquisas de diagnóstico molecular do novo coronavírus, dando suporte nos processos de testagem de amostras de pacientes para confirmação dos casos de Covid-19.

Fonte: AEN



Conteúdo Protegido
%d blogueiros gostam disto: